Logo-planos-de-saúde-2.jpg
Telefone-Site-Saúde.png

Febre Amarela: Sintomas e Dicas

Transmitida por mosquitos infectados, a febre amarela foi confirmada pelo Ministério da Sáude, com 574 casos até o final de março.

 

 

template noticia-artigo-4.jpg

 

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 34 países da África e 13 países da América Central e da América do Sul possuem regiões endêmicas de febre amarela. A cada ano,estima-se que ocorram entre 84 e 170 mil casos severos da doença, sendo que foram confirmadas entre 29 a 60 mil mortes. No Brasil, o Ministério de Saúde confirmou 574 casos da doença.

 

 

Transmissão

 

O vírus que causa a febre amarela é transmitido por mosquitos pertencentes às espécies Aedes (principalmente Aedes aegypti, responsável também por transmitir a zika, a dengue e achikungunya) e Haemogogus. As diferentes espécies de mosquitos vivem em diferentes habitats, o que determina três tipos de ciclos de transmissão: Febre amarela silvestre, Febre amarela intermediária e febre amarela urbana. Uma pessoa não transmite a doença diretamente para outra, assim como o macaco também não transmite a doença. Apenas mosquitos infectados agem como vetores de transmissão da doença.

 

 

Sintomas

As primeiras manifestações da doença são repentinas: febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos por cerca de três dias. A maioria dos infectados apresenta uma boa recuperação, adquirindo uma imunização permanete, ou seja, não são mais suscetíveis à doença.

 

 

Diagnóstico
 

O diagnóstico é complicado, sendo que muitas vezes é baseado nas características clínicas do paciente, nos locais e datas de viagens nas atividades e na história epidemiológica do local. O diagnóstico em laboratório é realizado por meio de testes para detecção de anticorpos específicos, sendo que as vezes o vírus pode ser encontrado em amostras de sangue coletadas no estágio inicial da doença.

 

O68IEI0.jpg

Tratamento

Não existe um medicamento antiviral específico para a febre amarela, porém tratamentos contra desidratação, febre e falência do fígado e do rim trazem melhoras.



Prevenção

A febre amarela pode ser prevenida por uma vacina extremamente eficaz, segura e acessível, que produz imunidade em 99% das pessoas vacinadas. Segundos as diretrizes da OMS, uma dose única da vacina é suficiente para conferir imunidade sustentada e proteção ao longo da vida. No Brasil, no entanto, o Ministério da Saúde recomenda duas doses, mas as especificações podem variar. (Acesse para mais informações: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/leia-mais-o-ministerio/427-secretaria-svs/vigilancia-de-a-a-z/febre-amarela/l1-febre-amarela/10771-vacinacao-febre-amarela )

Em áreas de alto risco onde há pouca cobertura vacinal, o reconhecimento imediato e o controle de possíveis surtos por meio de imunizações em massa são essenciais para prevenir uma epidemia.

Na transmissão urbana da febre amarela, a prevenção deve ser feita evitando a disseminação do Aedes aegypti. Os mosquitos se reproduzem em água limpa e se proliferam dentro dos domicílios e suas adjacências. Qualquer recipiente com água limpa e parada, como caixas d'água, latas e pneus, são ambientes ideais para que a fêmea do mosquito deposite seus ovos. Portanto, deve-se evitar o acúmulo de água parada em recipientes destampados.